Site da Arquidiocese de Fortaleza

Acesse o site de nossa arquidiocese e fique bem informado.

Palavra do Pastor

Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

30 de mar de 2015

Aos 98 anos, padre concelebra Missa diária na cadeira de rodas


A pedido do Papa Francisco, 2015 é um ano dedicada à Vida Consagrada. Por este motivo, nossa equipe conta a história de um padre que, mesmo aos 98 anos de idade, ainda concelebra Missas todos os dias.
Reportagem de Camila Morais e Ederaldo Paulini
           

Fonte: Canção Nova

29 de mar de 2015

Jovens decidem largar faculdades e profissões para serem padres

Padre explica que há um novo perfil das vocações sacerdotais. 'Eu tinha essa vontade de ser padre desde os 5, 6 anos de idade', diz jovem.

Alan (primeiro à esquerda) junto com os outros seis seminaristas do Propedêutico no Seminário Paulo VI (Foto: Rodrigo Saviani/G1)



























Aos 29 anos, o então professor de geografia Alan Carlos de Oliveira resolveu mudar completamente de vida por causa de um desejo antigo. Ao invés de formar cidadãos, ele optou pela evangelização. Entrou em um seminário para se tornar padre. "Foi a melhor decisão que tomei", afirma.

A decisão foi tomada em 2013 quando Oliveira morava na pequena cidade de Bela Vista do Paraíso, no norte do Paraná. Foi acompanhado por padres durante um ano, no período chamado de “discernimento”, e agora aos 30 anos, está no segundo ano do Propedêutico do Seminário Arquidiocesano Paulo VI em Londrina.

Alan conta que o desejo de ser padre despertou aos 11 anos, quando era coroinha. Mas, acabou deixando essa vontade de lado para se tornar professor.

“Fui aprovado em Física, fiz um ano e desisti. Depois resolvi fazer Geografia. O mais engraçado é que mesmo na faculdade o pessoal me chamava de ‘seminarista’, porque eu usava um crucifixo, camisas com frases religiosas e sempre carregava um rosário”, lembra.

Após se formar, Oliveira atuou por sete anos em colégios estaduais e particulares. Chegou até a fazer parte do Conselho Tutelar de Bela Vista do Paraíso. Contudo, quando completou 27 anos, o fim de um namoro de um ano e meio deu um novo rumo para a história de Allan. 

“Logo que terminei o namoro, a minha mãe lembrou a minha vontade de ser padre. Essa conversa despertou novamente em mim essa vocação. Aí conversei com o padre da paróquia que eu participava, fiz os encontros vocacionais e comecei o caminho de discernimento”, diz Alan.

Em 2014, veio a mudança para Londrina, primeiro para o Seminário Menor, e em 2015 foi ao Seminário Paulo VI. “A vocação sacerdotal te leva a abrir mão de muita coisa por um bem maior. E eu posso dizer que me sinto completo aqui, vivendo minha vocação”, argumenta.

Seminaristas adultos

Alan é o mais velho dos sete seminaristas do Propedêutico do Seminário Paulo VI em Londrina, que atende jovens entre 17 e 24 anos. Para o reitor do Propedêutico, padre Edivan Pedro dos Santos, ele representa um novo perfil das vocações sacerdotais.

“Quem entra no seminário na fase adulta da vida já sabe o que quer, com maior convicção da vocação. Geralmente esses jovens entram depois um esvaziamento, seja humano, afetivo ou espiritual, e também após vivenciar uma realidade profissional e ter uma graduação. É nesse momento que esses rapazes têm uma grande experiência com Deus. Muitas vezes essa vocação nasceu na adolescência, na juventude, porém foi abafada por outros desejos. Por tudo isso, a escolha dele se torna mais firme, com raízes mais profundas”, analisa o padre.

O próprio padre lembra que decidiu entrar no seminário já aos 24 anos. "Isso mostra que não há tempo certo. A vocação, quando despertada, permanecerá ali, inquietando, até que essa resposta seja dada", afirma.

Vocação

Em cada história ouvida dos seminaristas, a demonstração do amor pela Igreja e por Jesus Cristo é evidente. Amor este que é determinante para eles escolherem a vocação sacerdotal.

Boa parte dos que estão no Propedêutico contam que a vocação foi descoberta muito cedo, entre a infância e a adolescência. Todos ali entraram no seminário entre 2014 e 2015. Alguns não chegaram nem a pensar em fazer outra coisa a não ser se tornar padre.

“Eu lembro que tinha essa vontade de ser padre desde os cinco, seis anos de idade, quando via o padre no altar. Quando era pequeno, queria mesmo era ser Papa. Hoje, quero ser padre mesmo”, se diverte ao lembrar Wesley Ignacio, de 17 anos.

Já para outros, a vocação surgiu na vivência dentro da Igreja. Apesar de trabalhar em outras áreas ou até buscar uma profissão, decidiram largar tudo por um ideal maior. “Eu já atuei como técnico em radiologia, cheguei a iniciar o curso de Fisioterapia, mas deixei tudo isso pela vocação”, diz Luiz Locatelli Flório Neto, de 19 anos.

Alguns deles querem associar a vocação sacerdotal com a profissão desejada. O próprio Wesley Ignacio demonstra o interesse em trabalhar na área de comunicação dentro da igreja. "Pode ser na edição de programas, apresentação, trabalhar com rádio, TV. Quero trabalhar com isso, mas o sacerdócio vem em primeiro lugar. Se eu conseguir somar ambos, melhor ainda", comenta.

Celibato

Os seminaristas contam também que passaram pela experiência do namoro antes de decidir pela vocação sacerdotal. Em um dos casos, o fim do relacionamento foi causado justamente por essa decisão.

“Eu namorava fazia quatro meses com uma garota que conheci em um encontro na Canção Nova [comunidade católica localizada no interior de São Paulo]. Porém, a vocação me inquietava. Um dia decidi e contei para ela minha decisão”, conta Diego Jorge Santos, de 24 anos.

Quando questionados sobre o celibato, eles destacam que essa não é a única e nem a maior das dificuldades vivenciadas. “Há muitas outras renúncias que são mais difíceis de viver. Aqui aprendemos a viver a imagem do Jesus humano. E isso nos faz viver nossa humanidade por completo, tendo equilíbrio em cada uma das áreas, seja afetiva, social, intelectual. E Deus nos capacita para isso”, destaca Diego Santos. 

Apesar de sentirem falta da família e de amigos, nenhum deles mostra dúvida ou arrependimento pela escolha. Ao contrário, falam com firmeza e alegria sobre a vocação. “Nós sabemos que a messe é grande, mas poucos são os operários. Nós fomos escolhidos, e temos certeza que é Deus quem nos capacita para isso”, diz Emanuel Pereira Rosa, de 17 anos.

Seminário Paulo VI, em Londrina, tem atualmente 16 seminaristas (Foto: Rodrigo Saviani/G1)
Rotina

Os seminaristas têm uma agenda cheia durante a semana. No caso dos que estão no Propedêutico, o dia começa às 6h30, com a primeira oração do dia. Depois do café da manhã, têm aulas praticamente todos os dias sobre vários temas, como formação humana, temas de espiritualidade e da igreja, música, comunicação e filosofia.

Após o almoço, as atividades são variadas, entre aulas, limpeza da casa, além da prática de esportes. Uma vez por semana os seminaristas vão até a Casa de Custódia de Londrina, onde auxiliam a Pastoral Carcerária no trabalho de evangelização.

Os seminaristas também têm um dia de folga durante a semana. “Podemos sair, ir ao cinema, ao Igapó, visitar algum lugar, conhecer algo”, conta Gabriel Vital. Porém, precisam chegar até as 22h. "Quem atrasa, precisa conversar com o reitor", acrescenta.

Em alguns dias, o grupo sai junto para fazer uma atividade, geralmente acompanhada do reitor. Além disso, eles têm dois períodos de férias: um no meio do ano e outro no final do ano. Possibilidade de rever a família, os amigos, e voltar a viver no convívio de suas comunidades. Os familiares podem ser visitados também em algumas datas específicas, com na Páscoa, por exemplo.

Dimensão da vocação

Ao todo, a arquidiocese da cidade tem 27 seminaristas, divididos em quatro etapas. Destes, 16 estão no Seminário Paulo VI, sendo os sete do propedêutico e outros nove da Teologia. Além disso, são cinco seminaristas no Seminário Menor, também em Londrina, e outros seis cursando Filosofia em Maringá, também no norte do estado.

Dentro do seminário, os vocacionados passam por acompanhamento psicológico individual e em grupo, trabalho de teologia espiritual e também de orientação individual, além da observação do próprio reitor. “Cada caso é diferente. Nós temos que saber observar e orientar cada um deles”, diz o padre Edivan Santos.

Fonte: G1/Fotos: G1






27 de mar de 2015

SEMANA SANTA na Catedral Metropolitana de Fortaleza



A Catedral Metropolitana de Fortaleza – Paróquia São José está com a seguinte programação para Semana Santa:
Dia 29 de março – Domingo de Ramos
Às 7h30min, Bênção e Procissão (saída da Igreja de Cristo Rei) presidida por Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, arcebispo de Fortaleza.
Às 8h30min, na Catedral Metropolitana, Missa Solene presidida por Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza.
Durante este dia também acontecerá missas nos seguintes horários: às 10h, 12h, 18h30min e 20h.
Dia 02 de abril – Quinta-feira
Às 8h, Missa da Unidade (Santos Óleos) presidida por Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza e concelebrada por todo o clero.
Às 18h30min, Missa da Ceia do Senhor (Lava-pés), presidida por Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza.
Dia 03 de abril – Sexta-feira
Às 9h, Celebração das Horas com Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza.
Às 15h, Celebração da Paixão e Morte do Senhor, seguida de procissão do Senhor Morto com Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza.
Dia 04 de abril – Sábado
Às 9h, Celebração das Horas com Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza.
Às 20h, Solene Vigília Pascal.
Dia 05 de abril – Domingo da Ressurreição
Missas às 10h e 12h.
Às 18h30min, Missa Solene da Ressurreição, presidida por Dom José Antonio, arcebispo de Fortaleza, seguido de procissão do Senhor Ressuscitado.
Confissões na Catedral Metropolitana de Fortaleza serão:
Dia 31 de março e 01 de abril – Terça e Quarta
Pela Manhã, das 10h às 11h30min, e às 12h, missa.
À tarde, das 15h às 16h30min.
Dia 03 de abril – Sexta
Pela Manhã, das 8h às 11h30min.
À tarde, das 14h às 18h.
Dia 04 de abril – Sábado
Pela Manhã, das 9h às 12h.
À tarde, das 17h às 20h.
Dia 05 de abril – Domingo
Pela Manhã, das 9h às 12h.
Informações pelo telefone (85) 3231. 4196 na Secretaria da Catedral.
Fonte: Arquidiocese de Fortaleza

Quatro anos de episcopado de dom Rosalvo Cordeiro de Lima



A Arquidiocese de Fortaleza celebrou no dia 25 de março, o quarto aniversário de episcopado de dom Rosalvo Cordeiro de Lima, bispo auxiliar da arquidiocese de Fortaleza. Dom Rosalvo foi ordenado bispo no dia 25 de março de 2011 em Mogi das Cruzes, SP.
Dom Rosalvo, a Arquidiocese de Fortaleza deseja alegrias hoje e sempre na sua missão em nossa Arquidiocese. Ao mesmo tempo agradeçamos a Deus por sua presença entre nós.
Dom Rosalvo é um dos grandes entusiastas com a promoção das vocações. 
Oremos: Ó Deus que velais sobre o vosso povo com bondade e o conduzis com amor, dai o espírito de sabedoria e a abundância de vossas graças a vosso servo Dom Rosalvo Cordeiro de Lima, a quem confiastes o cuidado de nossa direção espiritual, para que ele cumpra fielmente junto de nós os deveres do ministério sacerdotal, e que receba na eternidade a recompensa de um fiel dispensador. Por Jesus Cristo Nosso Senhor. Amém.

24 de mar de 2015

Dom josé Antonio completa 16 anos à frente da Arquidiocese de Fortaleza



A Arquidiocese de Fortaleza está em festa nesta terça-feira, dia 24, pelos 16 anos de pastoreio de seu arcebispo Dom José Antonio Aparecido T. Marques.
O arcebispo é incansável nas visitas pastorais às mais diversas regiões, paróquias e áreas pastorais que compõem os limites arquidiocesanos. Acumula nestes anos de missão visita a todas as nove  Regiões Episcopais.
Outra característica  de Dom José é o zelo pelas vocações . É presença constante nos três seminários mantidos pela Arquidiocese de Fortaleza (Propedêutico , Filosofia e Teologia ) além de não poupar tempo e recursos para ampliar a estrutura a fim de acolher mais aspirantes ao sacerdócio . Nestes anos como arcebispo já ordenou mais de 110 padres.
Diversas paróquias e expressões eclesiais lembram a data colocando como intenção da missa deste dia o natalício do arcebispo . Os seminaristas do Propedêutico celebrarão a data junto com a Comunidade do Henrique Jorge em celebração eucarística presidida pelo padre-reitor Rafhael Maciel, às 19h, na Paróquia do Imaculado Coração de Maria.
Mais sobre Dom José Antonio
Nasceu em Jaú, SP., na Diocese de São Carlos no Brasil, aos 13 de maio de 1948, filho de Antonio Marques de Toledo e de Arminda Tosi Marques, ambos já falecidos. O primeiro dentre cinco filhos e uma filha. Em 1953 a família se transferiu para Barra Bonita, SP.
Nomeado Arcebispo Metropolitano de Fortaleza pelo Papa João Paulo II, no dia 13 de janeiro de 1999 e Tomada de Posse na Arquidiocese de Fortaleza no dia 24 de março de 1999.
Presidente do Regional Nordeste 1 da CNBB; Ceará, para o atual mandato de 2007 – 2011.

16º ano de Episcopado de Dom José Antonio na Arquidiocese de Fortaleza



"Onde aparece o bispo, aí está a multidão, do mesmo modo que onde está Jesus Cristo, aí está a Igreja Católica." (Inácio de Antioquia aos Esmirniotas) É o mais antigo exemplo do emprego da expressão Igreja Católica, no sentido de universal, oposta à igreja particular. ¹

O ministério de Dom José Antonio é dom de Deus para nós da Arquidiocese de Fortaleza, é também para o Seminário Propedêutico assim como é para os demais seminários da mesma. Neste dia que se completa o 16° ano do seu Episcopado na Arquidiocese queremos agradecer pelo seu sim a Deus, pela sua vida doada em função da evangelização dos fiéis e salvação das almas. 

Dom José Antonio, nasceu em Jaú, SP., na Diocese de São Carlos no Brasil, aos 13 de maio de 1948, filho de Antonio Marques de Toledo e de Arminda Tosi Marques, ambos já falecidos. O primeiro dentre cinco filhos e uma filha. Em 1953 a família se transferiu para Barra Bonita, SP.

Foi nomeado Arcebispo Metropolitano de Fortaleza pelo Papa João Paulo II, no dia 13 de janeiro de 1999 e Tomada de Posse na Arquidiocese de Fortaleza no dia 24 de março de 1999.

Dom José traz no peito o lema: ”FIAT VOLUNTAS TUA - Venha o teu reino, SEJA FEITA A TUA VONTADE assim na terra, como no céu." ( Mt. 6, 10 ). 

Vivemos um dia de alegria e oração pela vida e ministério de Dom José, reze uma Ave-Maria pelo nosso Arcebispo; pedindo a Deus muita força para guiar o rebanho que Cristo o confiou, ao rezar pela vida dele, reze também pedindo a Deus novas vocações sacerdotais; que os jovens possam se sentir chamado ao ministério sacerdotal.  

Por Pastoral Vocacional de Fortaleza

_____________________

¹Coleção Patrística, 1; Inácio de Antioquia aos Esmirniotas.  

22 de mar de 2015

“Eu nasci para ser padre”, testemunha sacerdote em Encontro Vocacional

Padre Vicente Oliveira celebra neste domingo, dia 22, três meses de ordenação sacerdotal. A data foi lembrada durante missa que presidiu para rapazes do primeiro Encontro Vocacional da Arquidiocese de Fortaleza. “Eu nasci para ser padre”, testemunhou o sacerdote que é Vice-Reitor do Seminário Propedêutico e Juiz Auditor do Tribunal Eclesiástico.


“No mundo em que vivemos com desafios dos mais variados vendo a vocês comprovamos que Deus continua a chamar jovens para o sacerdócio e isto é motivo de alegria para nós”, disse o padre motivando os vocacionados a um ano de forte e santo discernimento da vontade de Deus.

Na homilia o sacerdote foi enfático ao ensinar que a vida do sacerdote deve ser completa de doação. “É como o grão de trigo que cai na terra e precisa morrer; o padre que não morre para si não tem um ministério frutífero”, sentenciou.

Legitimar a pregação com o  testemunho de vida e encontrar alegria por meio do serviço a Deus e aos irmãos foi apresentado pelo jovem padre como meios  favoráveis para o  discernimento  vocacional.

Vanderlúcio, seminarista da Arquidiocese de Fortaleza

Encontro Vocacional reúne jovens de 35 paróquias diferentes

O primeiro Encontro Vocacional da Arquidiocese de Fortaleza reúne jovens de 35 paróquias diferentes no Seminário Propedêutico, no Henrique Jorge, durante este final de semana.“Consideramos que este número é uma resposta ao esforço dos trabalhos da Pastoral Vocacional que acontece durante todo o ano. Por sua vez, os párocos das diversas Regiões Episcopais colaboram na promoção de novas vocações”, comenta padre Rafhael Maciel, responsável pela Pastoral Vocacional.


Os participantes têm uma média de idade de 21 anos, sendo 41% dos jovens entre 17 e 19 anos. Confirma-se o novo perfil de aspirantes ao sacerdócio, rapazes cursando o ensino superior. Nesta turma, por exemplo, dos 64 inscritos, 18 estão dentro deste quadro.

Somando os participantes deste final de semana aos inscritos  no encontro vocacional para adolescentes, uma novidade lançada neste ano do Jubileu Centenário da Arquidiocese, o número chega a 91 aspirantes ao sacerdócio. “A adesão destes jovens nos deixa muito feliz e confirma que estamos no caminho certo”, diz padre Rafhael que é também Reitor de uma turma de 24 seminaristas.

O encontro se entende até o domingo, ao meio dia e a programação consta de adoração ao Santíssimo Sacramento, Celebração Eucarística, testemunhos vocacionais e formação. Durante o ano os jovens participarão de encontros mensais e acompanhamento personalizado feito por padres e seminaristas da equipe vocacional. “Este é um diferencial do acompanhamento vocacional que muito tem ajudado os jovens neste importante processo de discernimento”, arremata o Reitor.

Vanderlúcio, seminarista da Arquidiocese de Fortaleza

20 de mar de 2015

Arquidiocese espera receber 20% a mais de candidatos ao sacerdócio em encontro vocacional

Mons. Souto e Pe. Vicente, um dos sacerdotes com
mais tempo de padre e um dos mais novos,
respectivamente. Foto: Arquidiocese de Fortaleza

Tudo preparado para o primeiro encontro vocacional da Arquidiocese de Fortaleza deste ano de 2015.  Ele será realizado no Seminário Propedêutico Dom Aloísio Lorscheider (bairro Henrique Jorge) neste sábado, 21, às 16h, e no domingo, 22, ao meio dia.
A expectativa é que para este primeiro encontro pelo menos 70 jovens participem, 20% a mais em relação a 2014. “O número de candidatos têm crescido e isto nos alegra e ao mesmo tempo nos desafia a um maior acolhimento e trabalho em prol das vocações”, destaca padre Rafhael Maciel, promotor vocacional da Arquidiocese de Fortaleza.
Palestras, testemunho vocacional, adoração ao Santíssimo Sacramento e Celebração Eucarística constam na programação para os jovens que ficarão alojados no próprio Seminário. “Com o número elevado de aspirantes o Seminário se torna pequeno, mas entendemos a situação como um ‘bom problema”, frisa o sacerdote que atualmente é o formador de uma turma de 24 seminaristas.
Serviço
1º Encontro Vocacional da Arquidiocese de Fortaleza
Sábado, 21, às 16h. Domingo, 22, ao meio dia.
Para participar deste encontro ou do próximo que acontecerá em abril o jovem deve entrar em contato com seu pároco e fazer uma pré-inscrição (gratuita) através do telefone: 3290.1045
Fonte: Arquidiocese de Fortaleza

17 de mar de 2015

Palavra do Pastor: “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45)

Com a Quaresma realiza-se mais uma vez na Igreja no Brasil a Campanha da Fraternidade. O tempo especial do chamado à conversão pascal em Cristo presta-se à proposta de renovação da vida humana pessoal e comunitária, o que leva aos horizontes de vida de toda a comunidade humana.


Com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e lema “Eu vim para servir” (cf. Mc 10, 45), a  Campanha da Fraternidade (CF) 2015 busca recordar a vocação e missão de todo o cristão e das comunidades de fé, a partir do diálogo e colaboração entre Igreja e Sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano II.
O texto-base utilizado para auxiliar nas atividades da CF 2015 reflete sobre a dimensão da vida em sociedade que se baseia na convivência coletiva, com leis e normas de condutas, organizada por critérios e, principalmente, com entidades que “cuidam do bem-estar daqueles que convivem”.
Partindo do mesmo Evangelho proposto por Jesus, pelos seus ensinamentos e pelo próprio exemplo, somos chamados à disposição de “servir”, expressão de fraternidade e solidariedade humana universal. Assim o tema tocará os relacionamentos interpessoais e da Igreja como comunidade instituida por Jesus Cristo para a missão do Reino de Deus a que se destina toda a humanidade.
Por que servir?
Está inscrito no próprio ser humano o ser com os outros, o ser para os outros. E de Deus mesmo, à imagem de quem o ser humano foi criado, toma este ser voltado para a convivência e a mútua dedicação na realização da vida. E o próprio Deus se mostrar servidor em sua criação, tudo concorrendo para a vida de suas criaturas: Deus que cria e providencia.
Os seres da Natureza estão em estreita relação uns com os outros e servem uns aos outros na dinâmica da vida. Mesmo se se manifestam também desvios e ameaças à vida e ao bem comum – não podemos negar uma luta constante entre os seres – o que mais ainda se manifesta nos relacionamentos dos mais desenvolvidos, os seres humanos.
Deus que tudo criou para a vida e não para a morte, não é indiferente à sorte de sua criação e mostra a sua dedicação pelo bem de todos, especialmente dos seres humanos no Mistério da Redenção do mundo pela Incarnação do Verbo Eterno, o Filho de Deus.
Jesus, Deus feito homem entre os homens vem para manifestar a renovação da obra divina e se faz, em meio à humanidade ferida pelo egoísmo e dominação, servidor de todos “para que todos tenham a vida e a tenham em abundância” (Jo 10,10). Este serviço leva a dar a própria vida pelo bem comum universal da humanidade e por ela de toda a criação. O serviço, expressão concreta do Amor que tudo redime, faz verdadeira revolução nos relacionamentos humanos: do aproveitar-se para o servir, do utilizar-se para o ser útil ao bem do outro, do tirar a vida em próprio proveito ao dar a vida pelo proveito de todos. “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir, e dar a vida pela salvação de muitos”. (Mc 10, 45.) Assim se apresenta Jesus em sua relação com a humanidade, no objetivo de sua vida e missão.
Esta sua obra de redenção realizada plenamente em doação de morte e ressurreição é transmitida a toda a humanidade. Ele faz de sua Igreja – os reunidos em seu nome – o sinal e instrumento do seu serviço redentor.
A Igreja em tempo de graça e salvação quer ir mais fundo em sua vida, renovada na graça do Senhor, sendo ela mesma a servidora da humanidade. Em Quaresma e Campanha de Fraternidade coloca-se diante da conversão e missão na disposição de maior empenhor no seguimento do Senhor para ser servidora da vida em plenitude para todos: “Vós sois o sal da terra… Vós sois a luz do mundo… Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” (Mt 5, 14-16.)
Vencendo toda barreira de indiferença ou autosuficiência, a Igreja se vê como dom de Deus para o mundo, dom de Deus na fragilidade humana. Assim, reconhecendo suas limitações sabe também dos dons que carrega para o bem comum de toda pessoa humana. Ela vive para a sociedade humana, como dom do Reino de Deus, germe e instrumento na construção de um mundo mais plenamente humano e divino, onde a real felicidade de todos é possível pela graça do Amor de Deus. Ela leva o Evangelho da Vida, o Reino de Deus para o pleno bem da humanidade, a toda criatura.
Igreja e sociedade: relacionamento indispensável que se realizará no serviço, no diálogo, na cooperação solidária. Assim a mesma Igreja se vê em sua relação com a sociedade: “A Igreja pensa que, por meio de cada um de seus membros e por toda a sua comunidade, pode ajudar muito a tornar mais humana a família humana e a sua história. … o cristão que descuida dos seus deveres temporais falta aos seus deveres para com o próximo e até para com o próprio Deus, e põe em risco a sua salvação eterna.” (GS 40)
Com o Papa Francisco a Igreja hoje é chamada com empenho para com os pobres e sofredores, os que estão nas “periferias existenciais”, onde a humanidade se mostra mais fragilizada. A este clamor com toda a sociedade humana quer responder para a plena vida e dignidade humana das pessoas e sua convivência. Assim se constrói uma sociedade justa e fraterna, pacífica e solidária… ela já sinaliza o que ainda é muito mais a meta divino-humana: o Reino de Deus – a vida plena para todos.
+ José Antonio Aparecido Tosi Marques
Arcebispo Metropolitano de Fortaleza
Fonte: Arquidiocese de Fortaleza

Setor de Comunicação promoverá Curso sobre Marketing na Igreja


O Setor de Comunicação da Arquidiocese de Fortaleza promoverá nos dia 27 e 28 de março no Centro de Pastoral Maria, Mãe da Igreja o Curso de Marketing na Igreja.
Horários: Sexta-feira: Iniciando às 14h. Sábado: 08h às 17h
O curso  é destinado aos padres, religiosos(as), leigos, Movimentos, Pastoral da Comunicação (PASCOM) e demais pastorais.
A assessoria será do Padre Tom Viana, ssp (Paulinos), Pós graduação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Anhembi Morumbi(SP), Mestrado em Direção e Gestão Comercial em Marketing por ESIC-URJC- Madrid (Espanha), Especialização em Música Sacra e atualmente responsável pelo Departamento de Marketing da Paulus.
Padre Tom fará uma abordagem seguindo 5 tópicos: Introdução ao Marketing; A importância do Marketing no mundo atual; Marketing e Igreja; Truques e artimanhas do Marketing e Treinamento sobre atendimento. Participe! Esperamos a participação de todas as paróquias.
Inscrição no Setor de Comunicação com Marta Andrade (85) 3388.8703 -  Taxa de R$ 50,00


12 de mar de 2015

"24 horas para o Senhor" – Seminaristas atendem apelo do Papa Francisco



O Papa Francisco convocou os católicos do mundo inteiro, através de mensagem quaresmal, para  dedicarem “24 horas para o Senhor”, das 12h do dia 13 às 12h do dia 14 . Na Catedral Metropolitana de Fortaleza acontecerá uma celebração penitencial presidida pelo arcebispo metropolitano, atendendo o mesmo e outros sacerdotes as confissões dos fiéis.
A turma dos seminaristas do Propedêutico viverão a experiência das “24 horas para o Senhor” em missão na localidade de  Capuan, em Caucaia,  na Paróquia de Santo Antonio . Além da adoração ao Santíssimo Sacramento os aspirantes ao sacerdócio visitarão as Comunidades levando o anúncio da Palavra de Deus. 
Vanderlúcio, seminarista da Arquidiocese de Fortaleza





















O Papa Francisco convocou os católicos do mundo inteiro, através de mensagem quaresmal, para  dedicarem “24 horas para o Senhor”, das 12h do dia 13 às 12h do dia 14 . Na Catedral Metropolitana de Fortaleza acontecerá uma celebração penitencial presidida pelo arcebispo metropolitano, atendendo o mesmo e outros sacerdotes as confissões dos fiéis.
A turma dos seminaristas do Propedêutico viverão a experiência das “24 horas para o Senhor” em missão na localidade de  Capuan, em Caucaia,  na Paróquia de Santo Antonio . Além da adoração ao Santíssimo Sacramento os aspirantes ao sacerdócio visitarão as Comunidades levando o anúncio da Palavra de Deus. 

9 de mar de 2015

24 horas para o senhor – Quaresma 2015

Caríssimos leitores do nosso blog, queremos pedir a colaboração de vocês para atendermos juntos ao pedido que o nosso Arcebispo, Dom José Antonio nos fez no evento Queremos Deus deste ano; que nós fizéssemos uma hashtag para divulgarmos nas redes sociais as "24 horas para o Senhor" pedida pelo Santo Padre, o Papa Francisco.

O que vocês deverão fazer:

1° Baixem a imagem à baixo e a postem no perfil do facebook de vocês.


2° Usem esse texto quando foram postam a imagem:  

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA: "Em comunhão com o Santo Padre, nossa Igreja Arquidiocesana se propõe a viver estas “24 horas para o senhor”: de 12 horas do dia 13 até às 12 horas do dia 14 de março próximos, sexta-feira e sábado, vésperas do IV Domingo da Quaresma, deixando aberta nossas Igrejas em continua oração e com os sacerdotes atendendo confissões dos fiéis. Na Catedral Metropolitana de Fortaleza também acontecerá uma celebração penitencial presidida pelo arcebispo metropolitano, atendendo o mesmo e outros sacerdotes as confissões dos fiéis. Jovens poderão fazer uma missão de abordagem de jovens para participar deste momento de reconciliação pelo Sacramento da Confissão vivido em comunidade orante." ‪#24horasparaoSenhor

3° Mande a imagem para os seus amigos no WhatsApp junto com o texto. 

Por: Pastoral Vocacional de Fortaleza

Quaresma e Vocação

Mais uma vez o Senhor nos concede podermos viver a Quaresma, este tempo especial e favorável para intensificarmos nossos exercícios espirituais no caminho da conversão, tão pedida por Nosso Senhor e tão necessária para nós.

A cada ano a Igreja propõe para nós cristãos católicos, iluminada sempre pela Palavra de Deus, aqueles exercícios espirituais apresentados no Evangelho de São Mateus: a esmola, a oração e o jejum (Mt 6,1-6.16-18). Além do mais há anos os Santos Padres publicam uma Mensagem para a Quaresma. Com a graça do Espírito Santo o Papa Francisco nos presenteou com uma bela e inspiradora mensagem quaresmal, baseada na passagem bíblica Tg 5,8: “Fortalecei os vossos corações”.


Na referida Mensagem do Papa Francisco, ele toca em uma situação existencial muito presente nos dias atuais, a indiferença. Com certeza uma situação existencial que é uma chaga, uma ferida aberta no coração das pessoas, das comunidades e da sociedade atual, o próprio Papa afirma que “a indiferença para com o próximo e para com Deus é uma tentação real”. Para o Santo Padre a Quaresma é aquele tempo de renovação anual, necessário, que o povo de Deus precisa “para não cair na indiferença nem se fechar em si mesmo”.

Lendo a Mensagem do Papa Francisco chamou-me a atenção que ele apresentou a “Quaresma como um percurso de formação do coração”, apoiado em um pensamento de Bento XVI, na Encíclica “Deus caritas est”, n.31. A partir daí o Papa propõe a Ladainha ao Sagrado Coração e o verso “Fazei o nosso coração semelhante ao Vosso”, como o objetivo quaresmal: chegar à Páscoa com um coração semelhante ao de Jesus Cristo.

Pois bem, baseado nesta passagem da Mensagem do Papa Francisco para a Quaresma, que tem o apoio de dois Papas, já o que pensamento originário vem dos escritos de Bento XVI, pus-me a pensar em um itinerário que ajudasse nossa vivência vocacional, como pessoas desejosas de fazer com que o nossos corações assemelhem-se o máximo ao Coração de Jesus, ao Coração do Bom Pastor.
























Sugiro, nesta primeira meditação algumas palavras que poderão nos auxiliar nessa busca quaresmal que o Papa nos desafia. São elas: pobreza, oração, penitência e pureza.

A pobreza: saber-se pobre e necessitado impede que sejamos autossuficientes e arrogantes. A esta se soma o exercício espiritual da esmola, de dar do que nos fará falta a quem menos tem, e doar confiando que o Senhor será PROVIDENTE. Assim vivem os verdadeiros pobres: eles creem em Deus que é Providência. No nosso caminho vocacional, podemos nos perguntar: até onde cremos de verdade na Providência Divina? Será que não gostamos de acumular bens materiais e humanos, por não confiar inteiramente na providência de Deus? Qual meu nível de despojamento? Convido a todos a realizarem nesta Quaresma um gesto concreto de despojamento, seja de roupa ou de algum outro bem pessoal. Aliás, foi o Senhor Jesus quem disse que é preciso “renunciar para seguir”, pois o “Filho do homem não tem onde reclinar a cabeça” (Mt 8,20). Dependendo da nossa resposta podemos suplicar ao Senhor: “Coração de Jesus, rico para todos os que o invocam, tende piedade de nós”.

A oração: não deve haver um cristão que não reze! Penso eu. A oração é o nosso meio de contato direto com o Senhor. Sem oração não sobrevive uma alma cristã. A oração nos faz entrar numa comunhão de vida e de espírito seja com o próprio Senhor seja com os irmãos, e até mesmo da pessoa que reza, consigo mesma; quando estamos quebrados é a oração que junta nossos pedaços, em Deus. Oração deve ser, antes de tudo, pessoal – do crente com Deus – já dizia Santa Teresa de Jesus: “orar é tratar de amizade, estando muitas vezes a sós com quem sabemos que nos ama”. Depois deve ser comunitária, pois aquele que reza deve ser levado pela sua oração pessoal a rezar com os irmãos, na partilha sincera da sua vida de fé.

O Papa até escreve em sua Mensagem que devemos estar unidos em oração “à Igreja do Céu” – comunhão dos santos, e da mesma forma a oração em comunidade, na Igreja da Terra. Por essa oração poderemos clamar: “Coração de Jesus, digníssimo de todo louvor, tende piedade de nós”. O que isso tem a ver com quem está em um caminho vocacional? Alguém que deseja seguir o Senhor e não tem vida de oração com certeza viverá de falácia. Um vocacionado tem que rezar e pedir sempre ao Mestre: “ensina-nos a rezar” (Mt 6,8); afinal as pessoas esperam de um futuro sacerdote que ele seja mestre na arte de rezar. Qual tempo tiro para nossa oração pessoal? Como procuro viver a oração na vida da comunidade?

A penitência: palavra que tomou conotação de sofrimento e de dor. E esse tipo de pensamento está muito longe do que é pregado pela sociedade hedonista e liberal do nosso tempo. Mas, aqui, penitência vista como ascese, mortificação, ajudar-nos-á na reflexão sobre até onde nos entregamos de verdade ao Senhor. Até onde sou capaz de uma mortificação, de fazer um sacrifício? A penitência, antes de ser encarada como algo pesado ou como um fardo, deve ser encarada como oportunidade de firmar passos de enfrentar a si mesmo e de entregar-se totalmente.

O jejum entra neste aspecto quando, por sentir falta do alimento, damo-nos por conta de que não devemos ser “cheios” de nós mesmos, mas somos necessitados, pobres, carentes. O jejum quebra nosso orgulho, nossa prepotência. Alguém que se propõe discípulo do Senhor não pode segui-lo sem penitência, sem ascese. Senão poderá se entender como um ditador, como alguém que pensa que os outros dependem dele. Alguém assim se acha o centro do mundo. Enquanto isso, clamamos ao Senhor: “Coração de Jesus, saturado de opróbios... atribulado por nossos crimes... propiciação pelos nossos pecados, tende piedade de nós”.

A castidade: outra virtude tão combatida nos dias atuais. A guarda da castidade implica não somente o dom do celibato; implica também a guarda da pureza do coração e da mente, que inclui o olhar, as palavras que saem de nossas bocas, os acessos que nossas mãos fazem na internet, os lugares onde nossos pés nos levam... Guardar-se para doar-se – isso é fruto da castidade. Alguém que se propõe entrar no caminho do seguimento vocacional de Jesus Cristo terá que aprender a viver guardando seus afetos para doá-los na Missão a todas as pessoas. Ser casto significa poder dizer ao Senhor: “Coração de Jesus, rei e centro de todos os corações, tende piedade de nós”.

Penso que estes elementos podem nos favorecer na conformação dos nossos corações ao Coração de Jesus. Coração que nunca foi indiferente à vida humana; Coração que foi até o extremo da entrega da vida por amor! Peçamos então, que nosso caminho quaresmal seja tempo oportuno de conversão e de consolidação da nossa vocação. Façamos desse tempo um tempo de conversão pessoal e pastoral, para que as vocações “se tornem ilhas de misericórdia no meio do mar da indiferença!”.

Pe. Rafhael Silva Maciel
Reitor do Seminário Propedêutico


















8 de mar de 2015

Primeiro encontro vocacional para adolescentes da Arquidiocese de Fortaleza.

A Pastoral Vocacional de Fortaleza, realizou nesse sábado, 7, o primeiro encontro vocacional para adolescentes. Nesses encontros esses adolescentes e jovens poderão ter um tempo de reflexão vocacional apropriado para eles, sem precisar vir participar dos encontros vocacionais para o Seminário propriamente dito. O encontro contou com 25 adolescentes. 

















Durante o encontro, para aprofundar a experiência vocacional desses jovens e leva-los a refletir sobre um projeto de vida, o chamado de Deus; eles participaram da Santa Missa celebrada pelo Pe. Vicente Oliveira, vice-reitor do Seminário Propedêutico que também conduziu um momento de Adoração ao Santíssimo Sacramento. 

















Disse ainda, Padre Vicente: A presença dos adolescentes neste encontro suscitou em nós uma feliz esperança, a certeza de que Deus continua a chamar desde tenra idade nossos jovens para um discernimento e foi motivo para rendermos graças a Deus pelo Dom da Vocação. Ficamos muito felizes com este primeiro encontro vocacional e aguardamos com uma feliz expectativa o próximo.



















Queremos também avisar que nos dias 21 e 22 de março, terá inicio o primeiro encontro vocacional de 2015 para admissão ao Seminário com os jovens com 17 anos em diante. Os encontros acontecerão mensalmente, aos terceiros finais de semana, no Seminário Propedêutico, Henrique Jorge, em Fortaleza. Estes encontros são especialmente para aqueles jovens que já estiveram ano passado e para aqueles que surgirem neste ano de 2015.

Os Encontros Vocacionais darão a oportunidade de o jovem vocacionado discernir ainda melhor seu lugar na Igreja. A chegada dos vocacionados para o encontro acontecerá sempre no sábado à tarde, por volta das 15h (para pernoite) e prolongar-se-á até o domingo ao meio-dia (com o almoço).

Veja o calendário geral dos encontros clicando aqui

Por Pastoral Vocacional de Fortaleza














7 de mar de 2015

Formação para animadores vocacionais da seus passos no primeiro dia.

O Serviço de Animação Vocacional está realizando nos dias 07 e 08 de março de 2015 o encontro para Formação de Animadores Vocacionais da Arquidiocese de Manaus.
O encontro tem como objetivo formar líderes que auxiliem no despertar do interesse de animação vocacional na Igreja.
Pe. Rafhael Maciel, coordenador da Pastoral Vocacional e reitor do Seminário Propedêutico da Arquidiocese de Fortaleza, está no encontro sendo um dos palestrantes. Veja a formação do primeiro dia do encontro.
No primeiro dia do encontro de formação para animadores vocacionais da Arquidiocese de Manaus, tratamos dos seguintes assuntos:
- A importância da Pastoral Vocacional na Igreja local, lembrando que desde sempre Deus quis o auxílio do homem na execução de seu projeto de salvação. Jesus mesmo fez Pastoral Vocacional, quando em suas primeiras atividades chamou alguns para seguirem-no. Inclusive procurando perceber o que significa a nomenclatura “Pastoral”.
- Depois vimos um pouco da caminhada vocacional da Igreja na América Latina e no Caribe, desembocando nos desafios que a Conferência de Aparecida nos apresenta. Como trabalhar a Pastoral Vocacional? Resposta: Recomeçar sempre a partir de Cristo, percorrendo o itinerário da formação, que passa pelas seguintes etapas, sugeridas por Aparecida:
  1. Encontro pessoal com Cristo. Fazer nossa experiência pessoal. Já o fizemos? Este encontro muda a nossa vida para sempre: foi assim com Zaqueu..Mateus..Madalena.. Paulo. Levar isto a sério.
  2. Conversão. Iniciar este processo que durará a vida inteira e só termina trinta minutos após a nossa morte!!!
  3. Chamado ao discipulado, à imitação de Cristo. Ser parecido com o Mestre. A nossa semelhança com ele, na qual fomos criados é a vida no amor. Viver o amor e distribuir o amor. Aprender com o mestre. Não fazer como aquele a quem foi perdoada uma grande dívida, mas não soube depois ´perdoar uma pequena dívida que alguém lhe devia.
  4. A Comunhão. Se queremos ser discípulos, não o poderemos ser separados, mas na comunhão com os outros. Não pode haver vocação verdadeira se eu vivo isolado. Isto é fundamental. Ter este olhar vocacional.
Os três campos prioritários do serviço da Pastoral Vocacional:
  1. A Comunidade – ver as necessidades que ela tem, o que ela precisa, ver a partir disto, os chamados de Deus, as diversas vocações e ministérios.
  2. A Família – ela é o berço das vocações. Ela é a primeira experiência de Igreja para as pessoas. De lá parte a inserção depois na comunidade. É importante ter a convicção que vocação não é uma escolha entre duas coisas uma boa e uma não boa, mas a escolha de uma coisa boa renunciando a outra coisa igualmente boa, e tudo inspirado pela teologia da cruz e não da prosperidade.
  3. As Casas de Formação – elas devem receber pessoas que já passaram pela experiência do discernimento e já têm suas convicções vivendo um processo de conversão. Ajudas os jovens que ali se encontram, não só materialmente, mas também com nossas orações e estímulos.
Terminamos o dia começando a falar da importância da criação das Equipes Vocacionais Paroquiais. Trabalho que será melhor explanado no domingo.
Pe. Rafhael Maciel
Reitor do Seminário Propedeutico da Arquidiocese de Fortaleza
Fonte: http://savmanaus.org/

2 de mar de 2015

ARQUIDIOCESE DE FORTALEZA REALIZA VII EDIÇÃO DA CAMINHADA PENITENCIAL

Os fieis percorrerão um trajeto de aproximadamente 6km com orações penitenciais e atendimento às Confissões por parte dos sacerdotes presentes.





























O terceiro domingo da Quaresma, 8 de março, foi o escolhido pelo arcebispo de Fortaleza para a realização da VII Caminhada Penitencial, atividade que terá início às 7h saindo da Igreja Nossa Senhora da Saúde, no Mucuripe, até a Catedral Metropolitana de Fortaleza.
A procissão passará   pelas avenidas da Abolição, Historiador Raimundo Girão, Almirante Barroso e Alberto Nepomuceno perfazendo um total de quase seis mil metros. À frente do cortejo uma cruz de mais de 300 kg  conduzida pelos participantes do ato de fé e penitência.













Para a melhor participação dos fiéis o arcebispo orientou em carta circular às 145 Paróquias e Áreas Pastorais da Arquidiocese que  todas as celebrações sejam realizadas nas igrejas nas Primeiras Vésperas no dia 7 e na parte da tarde do dia 8, ficando reservada a manhã do dia 8 de março  para esta grande manifestação comum de conversão da Igreja de Fortaleza.
Os fiéis também terão oportunidade de receberem o Sacramento da Reconciliação (Confissão) durante o trajeto. “Em Celebração Penitencial dará oportunidade de Confissão Sacramental para os fieis que assim desejarem: gesto concreto de conversão, mudança de vida, com a confissão dos próprios pecados e busca do perdão de Deus no Sacramento da Reconciliação”, explica Dom José Antonio.
MAIS INFORMAÇÕES AO PÚBLICO EM GERAL: 85 3308.8703
Por Vanderlúcio Souza, seminarista da Arquidiocese de Fortaleza

Fique ligado - Jubileu 16