Site da Arquidiocese de Fortaleza

Acesse o site de nossa arquidiocese e fique bem informado.

Palavra do Pastor

Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

14 de mar de 2016

Nota de pesar pelo falecimento de Mons. Mauro

Padre Rafhael Maciel, Reitor do Seminário Propedêutico e Missionário da misericórdia emitiu nota de pesar pela páscoa de Monsenhor Mauro.
Informações sobre o velório e Missa de corpo presente do Mons. Mauro Herbster

1. Velório já está aberto na Igreja Matriz de Marangupe;
2. 15h – Cortejo fúnebre da Matriz para a Igreja do Rosário;
3. 16h – Missa de corpo presente presidida pelo Arcebispo de Fortaleza, Dom José Antonio;
4. 17h – sepultamento na Igreja do Rosário.
 
* A Igreja do Rosário fica vizinho à rodoviária de Maranguape, no Centro da Cidade.


Segue na íntegra:
NOTA DE PESAR PELO FALECIMENTO DO MONS. MAURO GURGEL BRAGA HERBSTER
Fortaleza, 14 de março de 2016.
A Pastoral Vocacional da Arquidiocese manifesta o seu pesar pelo falecimento do grande presbítero Mons Mauro Gurgel Braga Herbster. No final do dia de ontem 13 de Março de 2016, por volta das 23h20min, a Virgem Maria com todo o seu carinho de Mãe, levou para junto de Seu Filho Jesus Cristo, o nosso querido Mons. Mauro Herbster. Mons. Mauro foi um dos Padres mais exemplares que a Arquidiocese de Fortaleza conheceu. Doou TODA A VIDA PELA SALVAÇÃO DAS ALMAS, vivendo exemplarmente as Obras de Misericórdia espirituais e corporais.
Foi ordenado presbítero pelo Servo de Deus Dom Antonio de Almeida Lustosa no dia 08 de dezembro de 1945. Aos 94 anos de idade, Mons. Mauro celebrou em dezembro passado seus 70 anos de sacerdócio.
Sempre exerceu o seu Ministério Presbiteral em nossa Arquidiocese de Fortaleza. Seu currículo de serviços sacerdotais:
- Secretário particular de Dom Antonio de Almeida Lustosa;
- Foi Pároco em: Nossa Senhora da Saúde, Mucuripe (Fortaleza); Aratuba/Mulungu; Pedra Branca; São Luís do Curú; Nossa Senhora de Salete, Bela Vista (Fortaleza); São Gerardo (Fortaleza) e Nossa Senhora da Penha, Maranguape, onde foi Pároco por 31 anos.
Mons. Mauro sempre se mostrou fiel à Igreja, seja às orientações dos Papas, dos Arcebispos; era um irmão próximo dos demais Padres e um zeloso pastor das almas, ouvindo a todos com seu jeito simples no contato mais direto.
As nossas preces aos familiares, a Dom José Antonio, Arcebispo de Fortaleza, à Cidade e Município de Maranguape; a todo o povo que acompanhou a vida deste nosso irmão Presbítero. Agradeçamos a Deus, o dom da vida deste nosso amado irmão no presbitério e caminhemos na esperança da vida que o Crucificado-Ressuscitado nos acompanha.
Sem dúvida, esse santo homem e Padre ATRAVESSOU A PORTA SANTA DO CÉU. A Arquidiocese de Fortaleza, a Paróquia e Município de Maranguape estão de luto, mas ao mesmo tempo em festa porque TEMOS NO CÉU UM SANTO INTERCESSOR.

Pe. Rafhael Silva Maciel
Reitor do Seminário Propedêutico 
Coord. Arquidiocesano da Pastoral Vocacional
Missionário da Misericórdia

1 de mar de 2016

[Palavra do Pastor] Casa Comum, responsabilidade de todos

Durante a Quaresma realiza-se na Igreja no Brasil a Campanha da Fraternidade. O tempo especial do chamado à conversão pascal em Cristo presta-se à proposta de renovação da vida humana pessoal e comunitária, o que leva aos horizontes de vida de toda a comunidade humana.
Pela quarta vez a Campanha da Fraternidade é realizada por iniciativa ecumênica de diversas igrejas cristãs unidas no CONIC – Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, que desta vez propõe como tema:“Casa comum, nossa responsabilidade”. O mesmo se apoia na Palavra de Deus que encontramos em Am. 5, 24“Quero ver o direito brotar como fonte e correr justiça qual riacho que não seca.”

De que falamos quando nos referimos à “Casa C0mum”?

A nossa casa comum é a Terra onde habitamos, o planeta Terra, hoje tão ameaçado pela irresponsabilidade que temos ao viver nele e a não cuidar como se deve para o bem de todos os que hoje nele vivemos e os que virão a viver nele no futuro.
A nossa casa comum não é feita somente de sua estrutura material, o que é imediato pensar: a terra, a água, o ar, as realidades da natureza que a constituem. É também a casa comum o conviver humano e com as outras espécies animais e vegetais. Tudo se encontra coligado em mútua interdependência. Tudo colhe as consequências das ações humanas além dos fenômenos naturais.
Somos chamados, como seres humanos, conscientes e livres, inteligentes, amorosos e responsáveis em nossas escolhas a bem viver e conviver com os bens da natureza e os seres todos, a conviver humanamente entre todos nós como membros da mesma humanidade que habita esta Casa Comum.
Por isso, a segunda parte do tema que nos toca é a responsabilidade de todos.
Responsabilidade vem de Resposta, a que damos a uma Proposta que encontramos na natureza que nos precede. Somos no conjunto da mesma natureza os seres inteligentes e capazes de opções, de escolhas em nossas ações. E elas têm suas consequências não apenas para nós que tomamos as decisões, mas para todos. Nossos atos tem repercussão coletiva na humanidade e na natureza que com ela faz parte da criação.
A nossa responsabilidade está em relação com a natureza e com seu Criador, como também com os demais que conosco convivem. O despertar a responsabilidade consciente é o grande chamado no cuidar dos dons da natureza que temos para nosso benefício e o bem comum de todos. Nossa responsabilidade é religiosa, pois se refere à sintonia com o Deus Criador que tem um plano, um objetivo de Amor em sua Criação. Nossa responsabilidade é humana, pois se refere à contribuição para o bem comum da humanidade que somos com os que vieram antes de nós e nos deram origem, com os que convivem hoje conosco no tempo de nossa história, os que virão como continuação e consequência de nossa vida e nossas escolhas. Responsabilidade de todos pela Casa Comum: Lar e Convivência.
De modo especial e urgente somos chamados a dar uma resposta coerente ao bem comum para:“Assegurar o direito ao saneamento básico para todas as pessoas e empenharmo-nos, à luz da fé, por políticas públicas e atitudes responsáveis que garantam a integridade e o futuro de nossa Casa Comum”.
Isto tudo tem a ver com um saneamento material e espiritual em nossa vida pessoal-social. Tem a ver com água purificada, com bens materiais racionalmente utilizados, com condições físicas de vida e saúde para todos… Tem a ver com pensamentos e escolhas, com relacionamentos puros e retos, com bens espirituais que sejam patrimônio comum, com condições de vida e saúde mental e espiritual para todos… Será vitória contra toda corrupção e poluição no corpo e no espírito, na pessoa e na sociedade, em todo o mundo. Esta Casa Comum clama pela responsabilidade de todos nós. E onde começamos? Por nós mesmos, em nosso corpo, em nossa mente, em nosso coração, deixando-nos guiar pelo Amor Criador, o Supremo Bem que nos orienta e renova em nós e em todos a Sua Criação.

+ José Antonio Aparecido Tosi Marques
Arcebispo Metropolitano de Fortaleza
Fonte: Arquidiocese de Fortaleza

Fique ligado - Jubileu 16