Site da Arquidiocese de Fortaleza

Acesse o site de nossa arquidiocese e fique bem informado.

Palavra do Pastor

Dom José Antonio Aparecido Tosi Marques, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza

30 de abr de 2014

Catequese com o Papa Francisco – 30/04/14

Catequese com o Papa Francisco – 30/04/14

CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 30 de abril de 2014

Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal
Queridos irmãos e irmãs, bom dia
Depois de ter falado da sabedoria, como primeiro dos sete dons do Espírito Santo, hoje gostaria de colocar a atenção sobre o segundo dom, isso é, o entendimento. Não se trata daquela inteligência humana, da capacidade intelectual de que podemos ser mais ou menos dotados.  É, em vez disso, uma graça que só o Espírito Santo pode infundir e que suscita no cristão a capacidade de ir além do aspecto externo da realidade e perscrutar as profundezas do pensamento de Deus e do seu plano de salvação.
O apóstolo Paulo, dirigindo-se à comunidade de Corinto, descreve bem os efeitos deste dom – isso é, o que faz o dom do entendimento em nós – e Paulo diz isso: “Coisas que os olhos não viram, nem os ouvidos ouviram, nem o coração humano imaginou (Is 64, 4) tais são os bens que Deus tem preparado para aqueles que o amam. Todavia, Deus no-las revelou pelo seu Espírito” (1 Cor 2,9-10). Isso obviamente não significa que um cristão possa compreender cada coisa e ter uma plena consciência dos planos de Deus: tudo isso permanece à espera de manifestar-se em toda a sua clareza quando nos encontrarmos diante dos olhos de Deus e formos realmente uma só coisa com Ele. Porém, como sugere a própria palavra, a inteligência permite “intus legere”, isso é, de “ler por dentro”: este dom nos faz entender as coisas como Deus as entende, com a inteligência de Deus. Porque uma pessoa pode entender uma situação com a inteligência humana, com prudência, e tudo bem. Mas entender uma situação em profundidade, como a entende Deus, é o efeito deste dom. E Jesus quis enviar-nos o Espírito Santo para que nós tenhamos este dom, para que todos nós possamos entender as coisas como Deus as entende, com a inteligência de Deus. É um belo presente que o Senhor deu a todos nós. É o dom com o qual o Espírito Santo nos introduz na intimidade com Deus e nos torna participantes do plano de amor que Ele tem conosco.
É claro, então, que o dom da inteligência está estreitamente conectado à fé. Quando o Espírito Santo habita o nosso coração e ilumina a nossa mente, faz-nos crescer dia após dia na compreensão daquilo que o Senhor disse e realizou. O próprio Jesus disse aos seus discípulos: eu vos enviarei o Espírito Santo e Ele vos fará entender tudo aquilo que eu vos ensinei. Entender os ensinamentos de Jesus, entender a sua Palavra, entender o Evangelho, entender a Palavra de Deus. Alguém pode ler o Evangelho e entender alguma coisa, mas se nós lemos o Evangelho com este dom do Espírito Santo podemos entender a profundidade das palavras de Deus. E isto é um grande dom, um grande dom que todos nós devemos pedir e pedir juntos: Dai-nos, Senhor, o dom do entendimento.
Há um episódio do Evangelho de Lucas que exprime muito bem a profundidade e a força deste dom. Depois de ter visto a morte na cruz e o sepultamento de Jesus, dois de seus discípulos, desiludidos e tristes, vão a Jerusalém e retornam ao vilarejo de nome Emaús. Enquanto estão a caminho, Jesus ressuscitado se aproxima e começa a falar com eles, mas os seus olhos, velados pela tristeza e pelo desespero, não são capazes de reconhecê-Lo. Jesus caminha com eles, mas eles estão tão tristes, tão desesperados, que não O reconhecem. Quando, porém, o Senhor explica a eles as Escrituras, para que compreendessem que Ele deveria sofrer e morrer e depois ressuscitar, as suas mentes se abrem e nos seus corações se reacende a esperança (cfr Lc 24, 13-27). E isto é o que faz o Espírito Santo conosco: abre-nos a mente, abre-nos para entender melhor, para entender melhor as coisas de Deus, as coisas humanas, as situações, todas as coisas. É importante o dom do entendimento para a nossa vida cristã. Peçamos esse dom ao Senhor, que nos dê, que dê a todos nós este dom para entender, como Ele entende, as coisas que acontecem e para entender, sobretudo, a Palavra de Deus no Evangelho. Obrigado.
Fonte: Canção Nova

22 de abr de 2014

Retrospectiva da Semana Santa no Seminário da Arquidiocese de Fortaleza

Retrospectiva da Semana Santa no Seminário da Arquidiocese de Fortaleza
Cristo Ressuscitou Aleluia! 

Olá amados leitores que visitam e divulgam o nosso blog, desde já queremos lhes desejar uma Feliz e Santa Páscoa na alegria do Ressuscitado que passou pela cruz. 

A Semana Santa na Arquidiocese de Fortaleza foi cheia de atividades; nos três primeiros dias da semana: Segunda, Terça e Quarta-feira nosso Arcebispo Dom José Antonio esteve com os seminaristas da Arquidiocese no Seminário Propedêutico, dando-lhes formação do que se estava para celebrar e respondendo algumas perguntas feitas pelos próprios seminaristas. 

Na Quinta-feira no dia da Ceia do Senhor, pela manhã na Catedral houve a Missa dos Santos Óleos. O motivo de se fixar tal celebração na Quinta-feira Santa deve-se ao fato de ser este último dia em que se celebra a missa antes da Vigília Pascal. São abençoados o Óleo do Crisma, Óleo dos Catecúmenos, Óleo dos Enfermos.  À noite aconteceu a missa da Ceia do Senhor: Nesta missa faz-se a memória da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio. Durante a missa ocorreu a cerimônia do Lava-Pés que lembra o gesto de Jesus na Última Ceia, quando Ele lavou os pés dos seus apóstolos.

Retrospectiva da Semana Santa no Seminário da Arquidiocese de Fortaleza

Retrospectiva da Semana Santa no Seminário da Arquidiocese de Fortaleza
No dia seguinte, Sexta-feira Santa pela manhã, rezou-se na Catedral o Ofício das Leituras e as Laudes. As 15h no mesmo local celebrou-se a Paixão e Morte do Senhor. Neste dia, em que “Cristo, nosso Cordeiro Pascal, foi imolado”, a Igreja, com a meditação da Paixão do seu Senhor e Esposo e na adoração da Santa Cruz, comemora o seu nascimento do lado de Cristo que repousa na cruz e intercede pela salvação do mundo todo. 

Durante o Sábado Santo a Igreja permaneceu junto do sepulcro do Senhor, meditando a sua Paixão e Morte, e a sua Descida aos Infernos, e esperando na oração e no jejum a sua Ressurreição. Pela manhã do sábado novamente ocorreu a celebração do Ofício das Leituras, à noite tivemos a grande Vigília Pascal, na celebração da Páscoa da Ressurreição de Jesus. 

Nesta noite santa o Arcebispo de Fortaleza, ao final da Vigília, abençoou uma pequena imagem de João Paulo II, que será canonizado dia 27 de abril, em Roma; ao abençoar esta imagem o Arcebispo confirmou São João Paulo II como Patrono das Vocações, especialmente das vocações sacerdotais, na Arquidiocese de Fortaleza.

Assim foi a Semana Santa de boa parte de nossos Seminários de Fortaleza. Saímos ainda mais animados para anunciar Jesus Ressuscitado ao mundo, fortalecidos pelo testemunho de São João Paulo II, que do céu intercede pelo aumento em número e em santidade de nossos seminaristas diocesanos. 

Por Equipe Pastoral Vocacional de Fortaleza

Oitava da Páscoa – Evangelho desta Quarta-feira 23/04/2014

Oitava da Páscoa – Evangelho desta Quarta-feira 23/04/2014
Evangelho (Lc 24,13-35)
— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo Lucas.
— Glória a vós, Senhor.

3Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. 14Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido.
15Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. 16Os discípulos, porém, estavam como cegos, e não o reconheceram. 17Então Jesus perguntou: “Que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, 18e um deles chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias?”
19Ele perguntou: “Que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Naza­reno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. 20Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! 22É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo 23e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. 24Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”.
25Então Jesus lhes disse: “Co­mo sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! 26Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?” 27E, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele.
28Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. 29Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem che­gando!” Jesus entrou para ficar com eles. 30Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía.
31Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles.32Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho, e nos explicava as Escrituras?” 33Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze reunidos com os outros. 34E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!”35Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.

Pe. Rafhael Maciel comenta o Evangelho desta Quarta-feira, clique e escute.


Créditos/Imagem: Catequese Católica

9 de abr de 2014

Catequese com o Papa Francisco – 09/04/14

CATEQUESE
Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 9 de abril de 2014

Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal
Queridos irmãos e irmãs, bom dia!
Iniciamos hoje um ciclo de catequeses sobre os dons do Espírito Santo. Vocês sabem que o Espírito Santo constitui a alma, a seiva vital da Igreja e de cada cristão: é o amor de Deus que faz do nosso coração a sua morada e entra em comunhão conosco. O Espírito Santo está sempre conosco, está sempre em nós, no nosso coração.
O próprio Espírito é “o dom de Deus” por excelência (cfr Jo 4, 10), é um presente de Deus e à sua volta comunica a quem o acolhe diversos dons espirituais. A Igreja identifica sete, número que simbolicamente diz plenitude, completude; são aqueles que se aprendem quando nos preparamos ao sacramento da Confirmação e que invocamos na antiga oração chamada “Sequência ao Espírito Santo”. Os dons do Espírito Santo são: sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor a Deus
1. O primeiro dom do Espírito Santo, segundo este elenco, é então a sabedoria. Mas não se trata simplesmente da sabedoria humana, que é fruto do conhecimento e da experiência. Na Bíblia conta-se que Salomão, no momento da sua coroação como rei de Israel, tinha pedido o dom da sabedoria (cfr 1 Re 3, 9). E a sabedoria é justamente isso: é a graça de poder ver cada coisa com os olhos de Deus. É simplesmente isso: é ver o mundo, ver as situações, as conjunturas, os problemas, tudo, com os olhos de Deus. Esta é a sabedoria. Algumas vezes vemos as coisas segundo o nosso prazer ou segundo a situação do nosso coração, com amor ou com ódio, com inveja… Não, estes não são os olhos de Deus. A sabedoria é aquilo que faz o Espírito Santo em nós a fim de que nós vejamos todas as coisas com os olhos de Deus. É este o dom da sabedoria.
2. E obviamente isto deriva da intimidade com Deus, da relação íntima que nós temos com Deus, da relação de filhos com o Pai. E o Espírito Santo, quando nós temos esta relação, nos dá o dom da sabedoria. Quando estamos em comunhão com o Senhor, é como se o Espírito Santo transfigurasse o nosso coração e o fizesse perceber todo o seu calor e a sua predileção.
3. O Espírito Santo torna ainda o cristão “sábio”. Isto, porém, não no sentido de que tem uma resposta para cada coisa, que sabe tudo, mas no sentido de que “sabe” de Deus, sabe como Deus age, conhece quando uma coisa é de Deus e quando não é de Deus; tem esta sabedoria que Deus dá aos nossos corações. O coração do homem sábio neste sentido tem o gosto e o sabor de Deus. E quão importante é que nas nossas comunidades haja cristãos assim! Tudo neles fala de Deus e se torna um sinal belo e vivo da sua presença e do seu amor. E isto é uma coisa que não podemos improvisar, que não podemos procurar por nós mesmos: é um dom que Deus faz àqueles que se tornam dóceis ao Espírito Santo. Nós temos dentro de nós, no nosso coração, o Espírito Santo; podemos escutá-Lo, podemos não escutá-Lo. Se nós escutamos o Espírito Santo, Ele nos ensina esta via da sabedoria, presenteia-nos com a sabedoria que é ver com os olhos de Deus, ouvir com os ouvidos de Deus, amar com o coração de Deus, julgar as coisas com o juízo de Deus. Esta é a sabedoria que nos dá o Espírito Santo e todos nós podemos tê-la. Somente devemos pedi-la ao Espírito Santo.
Pensem em uma mãe, em sua casa, com as crianças que, quando uma faz uma coisa, a outra pensa em outra, e a pobre mãe vai de um lado a outro, com os problemas das crianças. E quando as mães se cansam e gritam com as crianças, isto é sabedoria? Repreender as crianças – pergunto-vos – é sabedoria? O que vocês dizem: é sabedoria ou não? Não! Em vez disso, quando a mãe pega a criança e a repreende docemente e lhe diz: ‘Isto não se faz por isso…’ e lhe explica com tanta paciência, isto é sabedoria de Deus? Sim! É aquilo que nos dá o Espírito Santo na vida! Depois, no matrimônio, por exemplo, os dois esposos – o esposo e a esposa – brigam e depois não se olham ou se o fazem é com a cara amarrada: isto é sabedoria de Deus? Não! Em vez disso, se diz: ‘Bem, a tempestade passou, façamos as pazes’, e recomeçam a seguir adiante em paz: isto é sabedoria? [o povo: Sim!] Sim, este é o dom da sabedoria. Que esteja casa, que esteja com as crianças, que esteja com todos nós!

E isto não se aprende: isto é um presente do Espírito Santo. Por isto, devemos pedir ao Senhor que nos dê o Espírito Santo e nos dê o dom da sabedoria, daquela sabedoria de Deus que nos ensina a olhar com os olhos de Deus, a ouvir com o coração de Deus, a falar com as palavras de Deus. E assim, com esta sabedoria, vamos adiante, construímos a família, construímos a Igreja e todos nos santificamos. Peçamos hoje a graça da sabedoria. E peçamos à Nossa Senhora, que é a sede da sabedoria, este dom: que Ela nos dê esta graça. Obrigado!
Fonte: Canção Nova

CNBB convida jovens para 1ª missão na Amazônia

Communities Indígenas e Ribeirinhas Serao Campo Missionário dioceses los Quatro Amazonicas
Da Redação, com Jovens Conectados
A Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou Nesta terça-feira, 8, o Projeto "Missão Jovem na Amazônia", Que Ira enviar Jovens de TODO O País parágrafo como dioceses de Roraima, Coari, Borba e Parintins, Entre Os Dias 30 de novembro e 15 De Dezembro.
Interessados ​​de Os los Participar fazer Projeto devem preencher hum cadastro nenhum site www.jovensconectados.org.br, Durante TODO o Mês de maio. Inscritos Dos, Serao selecionados Approximate 60 Jovens de 18 a 35 Anos, Que Serao Divididos los Quatro Grupos Pará como respectivas dioceses.
CNBB ConVida Jovens parágrafo 1 ª Missão na Amazônia
Projeto FOI lançado Nesta terça-feira, 8 / Foto: Divulgação

Joe Cada Jovem Devera providenciar SUAS despesas de ida e Volta Ate O da Missão local, porem, a Diocese Que Acolhe providenciará OS Meios de locomoção Dentro fazer Seu Território, ASSIM Como Hospedagem e Alimentação.
PREPARACAO
Os selecionados participarão de UMA Formação on-line ministrada Pelos Assessores da CNBB e das POM Ligados AO Projeto, juntamente com OS Jovens coordenadores de Cada Grupo Missionário, nos Meses Opaco antecedem uma Viagem.
CNBB ConVida Jovens parágrafo 1 ª Missão na Amazônia
Haverá AINDA UMA Formação presencial com tão Equipes formadas, Entre 30 de novembro a 2 de Dezembro, los Manaus parágrafo Estudo, convivência, celebração e envio à Missão.
A Experiência Missionária tera duracao de 10 dias los communities estabelecidas Pela diocese Escolhida e Será, será embasada a Partir fazer Intercâmbio de Experiências na vivência Conjunta Entre OS Jovens, Ajudando a UMA CRIAR Consciência Mais Aberta da Igreja Que Vai ALÉM DOS SEUS Limites dos Grupos, Pastorais, paróquias e Cidades.
Como Atividades Serao encerradas com UMA Avaliação dos Grupos, Que se reunirão Novamente na Capital do Amazonas de 13 a 15 de Dezembro, com partilhas das Experiências Vividas. Será, formulada AINDA UMA carta destinada à Igreja no Brasil, com intuito de Fomentar OUTRAS Iniciativas Como Essa, ALÉM de animar OS católicos fazem País.
Por Que UMA Missão na Amazônia?
Com o Objetivo de preparar par uma Semana Missionária, na Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Rio 2013, Comissões episcopais parágrafo a Juventude e Animação Missionária da CNBB, EM Parceria com Pontifícias Obras Missionárias como, realizaram EM 2012 o Seminário Juventude e Missão, com o lema: "Um Jovem alegria de ser, Discipulo Missionário de Cristo".
CNBB ConVida Jovens parágrafo 1 ª Missão na Amazônia
DESTE Seminário, surgiu o Desejo da Juventude Presente de Fazer UMA Missão, parágrafo ASSIM manifestar o Compromisso EO protagonismo dos Jovens com o Chamado de Jesus Cristo, especialmente na Amazônia, Onde a Igreja TEM Um Olhar especial e JÁ DESENVOLVE UM Trabalho Sólido.
Essa Inspiração reforçada was na JMJ de 2013, com o Apelo do Papa Francisco: "Ide, Sem Medo, SERVIR para. Seguindo ESTAS Três Palavras, Voces experimentarão Opaco QUEM evangelização E evangelizado, QUEM transmite a alegria da Fé, recebe Mais alegria ".
He also exortou na Ocasião sobre a necessidade de Maior Incentivo à Participação da Evangelização na Amazônia. "FAZEM Falta formadores qualificados, especialmente formadores e Professores de Teologia, Resultados parágrafo Consolidar OS alcançados no Campo da Formação de hum Clero autóctones, inclusive de para se ter Sacerdotes adaptados como CONDIÇÔES CRP e Consolidar POR ASSIM DiZer o Rosto Amazônico da Igreja. Nisto lhes Peco, Por favor, parágrafo Serem corajosos, destemidos parágrafo Serém ", apontou o Pontífice.
Portanto, com Sensibilidade Profética, ESSA FOI Missão abracada pelas Comissões responsáveis ​​no 1 º Encontro da Igreja Católica na Amazônia Legal, ocorrido nn Dias 28 a 31 de outubro de 2013, EM Manaus, Onde DIVERSAS dioceses se candidataram parágrafo receber o Projeto. Como selecionadas parágrafo ESTA Primeira Experiência FORAM Roraima, Coari, Borba e Parintins.
Essa E UMA Semente Lançada ea proposal E Opaco anualmente ocorra ESTA Missão da Juventude na Amazônia percorrendo AOS gradativamente como 18 dioceses Opaco se manifestaram Abertas à Acolhida dos Jovens Missionários de TODO O País.
Assista Vídeo de Divulgação
         

Fonte: Canção Nova

8 de abr de 2014

VALE A PENA DEIXAR TUDO PARA SEGUIR JESUS


“QUANDO UM JOVEM SAI DE SUA CASA PARA SERVIR A CRISTO, O PRÓPRIO CRISTO OCUPA O LUGAR DELE NA SUA CASA” (São João Bosco)

É com alegria que partilho com vocês um pouco da minha experiência vocacional durante esses 07 anos no seminário santa Teresinha.

No dia 12 de fevereiro de 2005, eu fui acolhido pelo pe. Talvacy. Naquele dia foi para mim muito marcante, pois, apesar de me sentir chamado a ser padre, tinha medo, medo de deixar minha casa, minha família, meus amigos, porém o chamado de Deus foi mais forte e eu resolvi fazer uma experiência. Confesso que não esperava permanecer no seminário por muito tempo, pois pensava em ser religioso, isto é, entrar para uma congregação religiosa. Depois de um ano de vivência e convivência, mesmo com todas as dificuldades resolvi permanecer mais um ano.

Naquele Ano Eramos 13 seminaristas. Daquela turma muitos saíram do Seminário OUTROS FORAM Fazer OUTRAS Experiências vocacionais los congregações religiosas, hum E diácono e Outro JÁ É padre restando somente Dois ALÉM de MIM.

Durante esses sete anos vivi muitos momentos difíceis, como por exemplo, quando fui reprovado no vestibular, aquele dia foi muito difícil para mim, pois a princípio vi meu sonho de ser padre ir por água a baixo. Confesso a vocês que não consegui dormir naquela noite em que recebi o resultado do vestibular. Mas, houveram também momentos de grande alegria, como por exemplo, as festas, os momentos de lazer nas sextas-feiras, as dinâmicas, os momentos de lazer de fim de ano, em fim a convivência, as brincadeiras e também quando fui aprovado no vestibular para filosofia.

Hoje eu agradeço a Deus ter me chamado para ser padre, sou muito feliz. Apesar dos desafios que a vida sacerdotal apresenta, não me arrependi de ter dado o meu sim a Cristo e a Igreja.

Aquela frase de Dom Bosco aconteceu de fato na minha vida, graças a Deus o senhor ocupou o meu lugar na minha casa, tudo aquilo que eu sonhava para minha família, como por exemplo, que todos participassem de modo ativo e consciente da caminhada cristã, o Senhor realizou. Hoje todos estão contribuindo ativamente para a construção do reino de Deus na comunidade de Santo Antonio (Mossoró/RN). Quanto ao medo que tinha, como falei acima, o Senhor veio suprir tanto na minha vida, como na vida dos meus amigos e familiares.

Hoje, sete anos depois, aquele jovem que tinha medo de deixar sua casa e seus amigos, para ir ao seminário, esta em Roma, fazendo mestrado em Filosofia.
 
O Senhor nos faz caminhar por caminhos nunca vistos, pois não estava nos meus planos vim para Roma, na verdade, nunca passou pela minha cabeça que um dia pudesse estudar aqui, pois, para começo de conversa sempre questionei a formação sobre o porque da necessidade de se estudar filosofia para ser padre. Durante os quatro anos que estudei filosofia na UERN, sempre fui aquele aluno que estudava somente para passar de ano já que, a filosofia para mim não tinha sentido algum. Na verdade via aqueles que estudavam filosofia como um bando de loucos, de desocupados, etc. Contudo, com o passar dos anos fui percebendo o quando ela é importante para nos fazer compreender a vida de modo mais humano, pois nos ajuda a pensar sobre nossas ações, nos ajuda a enxergar além, nos ajuda, juntamente com a fé orientar a nossa vida na busca do fim ultimo de todo ser humano. Hoje reconheço, vale a pena estudar filosofia.

A EXPERIÊNCIA EM ROMA

Sai do Brasil no dia 08 de Agosto de 2011, e chegue em Roma no dia 09. Além de mim, outros três seminaristas, 2 da diocese de Natal e 1 da diocese de Caicó. O primeiro desafio enfrentado foi o Avião, pois confesso que não sabia o que pensar, pois estava com o coração dividido entre a expectativa da viagem, a saudade do meu povo, da minha terra, e mil e uma lembranças sobre viagem de avião que não deram certo, porem, eu precisava vencer o medo. Não foi fácil deixar tudo, pois sabia que essa partida não era igual às outras, como sempre aconteceu durante os seis anos de casa para o seminário. Contudo eu precisava ser forte, e confiar em Deus, precisava ser fiel mais do que nunca ao sim que dei a Cristo.


Quando cheguei em Roma, confesso que não acreditava. Era por volta de 19:00 quando deixei o avião. Logo que pegamos as malas, um padre do colégio, juntamente com Cornélio estava nos esperando. Quando chegamos ao seminário nossa primeira ação foi agradecer ao Senhor por tudo, pela viagem e também por essa grande oportunidade que ele nos dava de estar em Roma. No dia seguinte, todos fomos ao vaticano, pois essa era a nossa maior curiosidade.
   
Depois de alguns dias de folga para a adaptação ao fuso horário, iniciamos os estudos de italiano. Juntamente com os estudos iniciamos o curso propedêutico, e na última semana de setembro os exercícios espirituais, e logo em seguida, iniciamos as aulas no Ateneo Pontificio Regina Apostolórum.
   
Para mim tem sido, até hoje, uma experiência muito rica, no mínimo por três motivos: primeiro porque estou experimentando o que é deixar minha casa e seguir Jesus, já que, como falei a cima essa é minha primeira experiência, digamos, mais forte de deixar casa, pai, mãe como pede o evangelho. Em segundo lugar, o fato de está em Roma nos proporciona uma nova visão de mundo, e da própria Igreja, pois se pode sentir a sua universalidade. Aqui mesmo no colégio, por exemplo, tem seminaristas de todos os continentes. É lindo ver a universalidade da Igreja. O que me encanta aqui no colégio é quando rezamos o terço, cada um na sua língua. E em terceiro, a experiência que fazemos de estar no coração da Igreja. Uma das coisas que mais me encanta é quando participamos de alguma celebração com o Santo Padre, e durante a celebração todos se reúnem em torno de um só objetivo. Não existe distinção de raça, cor, etc. nos sentimos todos como irmãos. Cada um na sua própria língua expressa a sua gratidão a Cristo e a Igreja. É um verdadeiro pentecostes.
   
Diante de tudo isso, sou muito grato primeiramente a Deus e depois a Igreja de Mossoró pela confiança. Sei da responsabilidade que me espera quando retornar a diocese, porém, confio na graça de Deus que assim como realizou grandes coisas em Maria realiza também na nossa vida, basta crer.
   
Sou grato acima de tudo pelo o dom da vocação. Espero poder contribuir o mais possível com a Igreja, não só de Mossoró, mas do mundo inteiro, pois vale a pena deixar tudo para seguir JESUS.

Seminarista Alison Moura
Texto extraído do Blog Seminário Santa Teresinha - Mossoró-RN

6 de abr de 2014

4° Catequese Quaresmal sobre a Esperança Cristã

4° Catequese Quaresmal sobre a Esperança Cristã

























No sábado passado, 5, tivemos em nossa Catedral de Fortaleza a quarta Catequese Quaresmal; dom José Antonio nos conduz nesta catequese a refletir sobre a Oração e a Esperança. A oração nos faz ter esperança, confiança etc. Por isso, devemos ter uma vida intima com Deus, também pela vida de oração; aonde Deus mais fala e nos faz ter Esperança, naquilo que ele próprio prometeu. Escute e repasse para os seus amigos, as palavras do nosso Arcebispo.
 

3 de abr de 2014

Cardeal de SP divulga mensagem por canonização de Anchieta

 Cardeal de SP divulga mensagem por canonização de Anchieta
Dom Odilo destacou que a Igreja e a cidade de São Paulo devem seus inícios a José de Anchieta e seus companheiros

O Arcebispo de São Paulo, Cardeal Odilo Pedro Scherer, divulgou uma mensagem pela canonização de José de Anchieta nesta quinta-feira, 3.
O cardeal expressou sua gratidão ao Papa Francisco que acolheu o pedido da Igreja e deu o reconhecimento oficial a Anchieta como “santo”.
“Grande missionário, São José de Anchieta deu o testemunho de uma vida santa, já reconhecido assim enquanto ainda vivia; por isso, logo após o seu falecimento, em 1597, foi aclamado como ‘Apóstolo do Brasil’”, destacou.
Dom Odilo recorda que a Igreja e a própria cidade dme São Paulo deve seus inícios à missão de Anchieta e seus companheiros. “São José de Anchieta significa muito para nós, em São Paulo, e nos sentimos honrados com a sua canonização”.
Leia a mensagem na íntegra
Hoje é um dia de festa! Manifesto, em nome da Arquidiocese de São Paulo, profunda gratidão a Deus pela proclamação do bem-aventurado Padre José de Anchieta como “santo”! Ad maiorem Dei gloriam – que tudo seja para a maior glória de Deus!
Este momento foi longamente esperado por esta Igreja que está em São Paulo. Grande missionário, São José de Anchieta deu o testemunho de uma vida santa, já reconhecido assim enquanto ainda vivia; por isso, logo após o seu falecimento, em 1597, foi aclamado como “Apóstolo do Brasil!
Gratidão ao Papa Francisco, conhecedor da história de Anchieta e dos primeiros
missionários jesuítas no Brasil, que acolheu benevolamente o pedido da Igreja e, bem depressa, deu o reconhecimento oficial a Anchieta como “santo”.
A Igreja, nesta Metrópole, deve seus inícios à obra evangelizadora de Anchieta e de seus companheiros na missão de São Paulo de Piratininga. Desta missão, também nasceu a própria cidade de São Paulo. São José de Anchieta significa muito para nós, em São Paulo, e nos sentimos honrados com a sua canonização!
Seu exemplo – de jovem entusiasta por Cristo e pelo Evangelho, de homem santo, movido pelo amor a Deus e aos irmãos, de missionário incansável, zeloso na transmissão da alegria do Evangelho, de pacificador respeitoso das culturas dos povos originários do Brasil, de educador, pai dos pobres e enfermos – continue a nos motivar e inspirar na dedicação à missão. Somos continuadores do trabalho por ele iniciado. Que sua intercessão e seu exemplo nos valham sempre!
São José de Anchieta, rogai por nós!

Odilo Pedro Scherer
Arcebispo de São Paulo
Fonte

2 de abr de 2014

3°Catequese Quaresmal sobre a Esperança Cristã

3°Catequese Quaresmal sobre a Esperança Cristã




























Dom José Antonio, Arcebispo Metropolitano de Fortaleza continua com o seu itinerário das Catequeses Quaresmais com a juventude, sobre a a Esperança Cristã, unida a Fé. Escute as próprias palavras do arcebispo gravadas no último sábado 29 de março de 2014. A próxima catequese será no próximo sábado 5 de abril de 2014:

Evangelho do Dia (Jo 5,17-30)

Evangelho (Jo 5,17-30)

— O Senhor esteja convosco.
— Ele está no meio de nós.
— Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo + segundo João.
— Glória a vós, Senhor.

Naquele tempo, 17Jesus respondeu aos judeus: “Meu Pai trabalha sempre, portanto também eu trabalho”. 18Então, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque, além de violar o sábado, chamava Deus o seu Pai, fazendo-se, assim, igual a Deus.
19Tomando a palavra, Jesus disse aos judeus: “Em verdade, em verdade vos digo, o Filho não pode fazer nada por si mesmo; ele faz apenas o que vê o Pai fazer. O que o Pai faz, o Filho o faz também. 20O Pai ama o Filho e lhe mostra tudo o que ele mesmo faz. E lhe mostrará obras maiores ainda, de modo que ficareis admirados.
21Assim como o Pai ressuscita os mortos e lhes dá a vida, o Filho também dá a vida a quem ele quer. 22De fato, o Pai não julga ninguém, mas ele deu ao Filho o poder de julgar, 23para que todos honrem o Filho, assim como honram o Pai. Quem não honra o Filho, também não honra o Pai que o enviou.
24Em verdade, em verdade vos digo, quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, possui a vida eterna. Não será condenado, pois já passou da morte para a vida. 25Em verdade, em verdade, eu vos digo: está chegando a hora, e já chegou, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus e os que a ouvirem viverão.
26Porque, assim como o Pai possui a vida em si mesmo, do mesmo modo concedeu ao Filho possuir a vida em si mesmo. 27Além disso, deu-lhe o poder de julgar, pois ele é o Filho do Homem.28Não fiqueis admirados com isso, porque vai chegar a hora em que todos os que estão nos túmulos ouvirão a voz do Filho e sairão: 29aqueles que fizeram o bem, ressuscitarão para a vida; e aqueles que praticaram o mal, para a condenação.
30Eu não posso fazer nada por mim mesmo. Eu julgo conforme o que escuto, e meu julgamento é justo, porque não procuro fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou.

— Palavra da Salvação.
— Glória a vós, Senhor.



Créditos da imagem: Catequese Católica

Fique ligado - Jubileu 16